Polícia investiga ameaça de ataques terroristas no DF durante o réveillon

27 dez, 2018 Notícias

Possíveis ataques teriam relação com bomba encontrada em igreja de Brazlândia na noite de véspera de Natal

A Polícia Civil do Distrito Federal investiga as ações de um homem ou de um grupo que estaria por trás de uma tentativa de atentado contra o Santuário Menino Jesus, em Brazlândia, na véspera de Natal, e que ameaça, pelas redes sociais, cometer novos ataques a templos da região administrativa na noite de revéillon. A Polícia Federal também acompanha atentamente o caso e averigua se os episódios indicam a ação de um grupo terrorista, possivelmente internacional, em Brasília.

Continua depois da publicidade

As ameaças de futuros ataques estão em um perfil no Instagram denominado “Terrorista de Brazlândia”, no qual é dito que seis bombas teriam sido armadas na cidade, com intenção de detoná-las na noite do dia 31. O perfil também se identifica como o responsável por colocar explosivos no Santuário Menino de Jesus na noite de 24 de dezembro, véspera de Natal.
Nessa noite, agentes do Grupo Anti-Bomba do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar foram até o santuário — segundo maior templo católico do país, com capacidade para 15 mil pessoas — investigar uma mochila que havia sido deixada nas proximidades. Eles foram mobilizados após a ligação de um morador que estranhou a presença do objeto no local.
Em nota, a PMDF confirmou que, no interior da mochila, havia um cilindro de metal recheado de pólvora e pregos. O comunicado informava, ainda, que o Bope realizou a detonação segura do dispositivo.
Fontes ouvidas pelo Correio, no entanto, afirmam que foi encontrado, também, um dispositivo de detonação automático, que teria falhado ao ser ativado. Investigadores acreditam que foi devido a essa falha que não houve uma explosão no momento em que fiéis chegavam à igreja. A reportagem apurou ainda que o dispositivo tinha capacidade de ferir ou matar pessoas caso explodisse.

Polícia Federal também investiga o caso

A confirmação de que a mochila continha mesmo material explosivo fez com que o caso chegasse até a Polícia Federal, que já trabalha no caso. Agentes federais teriam vasculhado possíveis alvos em Brazlândia. No entanto, nenhum novo artefato foi encontrado.
Correio apurou que a Polícia Federal não descarta a possibilidade de o perfil na internet ser apenas uma forma de despistar a atenção das autoridades, para mascarar a identidade dos autores e tirar o foco de outros locais que podem ser alvos de ações criminosas.
Existe uma preocupação especial com a posse do presidente eleito, Jair Bolsonaro, no dia 1º, na Esplanada dos Ministérios. No entanto, na região, haverá a atuação das forças de segurança do Distrito Federal e as Forças Armadas, incluindo atiradores de elite, equipamentos de alta tecnologia para identificar eventuais ameaças e até o uso de mísseis antiaéreos.
Por Renato Souza Correio Brasiliense 

As 7 Melhores

CURTA NOSSA FANPAGE

Programa Terceira Hora