Ministro anuncia nesta quarta-feira novos incentivos a Minas Gerais no Plano Safra 2015/16

19 ago, 2015 Notícias

Nesta quarta-feira (19), o ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, estará às 8h30, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), em Belo Horizonte, para anunciar novos incentivos do Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016 para o estado.
O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) está fazendo o maior investimento já destinado a esse programa em seus 20 anos de história: R$ 28,9 bilhões para a produção agrícola familiar. O Plano Safra está disponibilizando aos produtores rurais R$187 bilhões, 20% a mais do que o ano passado. Em Minas Gerais, mais de 401,8 mil agricultores familiares possuem a Declaração de Aptidão ao Pronaf, instrumento que dá acesso ao crédito rural do Governo Federal, com juros abaixo da inflação.
Tamanha a relevância conquistada pelo setor, Minas Gerais passou a contar, este ano, com a Secretaria de Desenvolvimento Agrário (Seda), que vem cuidando especificamente da agricultura familiar. O setor representa 79% do total de estabelecimentos rurais do estado, respondendo por quase 80% dos 1,2 milhões de empregos gerados no campo e 32% do Valor Bruto da Produção (VBP) agropecuária.
Os números do negócio
São 430 mil propriedades mineiras de agricultura familiar que, na produção do estado, 47% do milho, 44% do arroz, 31% do café e 83% da mandioca. Só para se ter uma ideia, na CeasaMinas Contagem 55% do total de produtores que comercializam no entreposto são agricultores familiares. Na pecuária, o setor corresponde por 45% do leite captado, 34% do rebanho bovino, 30% do rebanho suíno e 28% do volume da avicultura. Além disso, no Brasil, Minas responde por 22% do leite e 67% do café produzidos pela agricultura familiar.
Para o presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Minas Gerais (Fetaemg), Vilson Luiz da Silva, entre os muitos passos do setor, há de se ressaltar os avanços na desburocratização dos agentes financeiros. “Esse diálogo é muito importante, pois no passado era uma relação complicada”. No entanto, ele afirma que uma das metas é fazer com que todos os agricultores familiares tenham acesso ao crédito direcionado a eles. “Ainda há grande resistência dos agentes financeiros, por exemplo, com as mulheres que atuam no campo”, revelou.
O Censo Agropecuário de 2006 registrou que 47% da população rural é formada por mulheres, mas o dirigente avalia que esse número vem aumentando nos últimos anos. “A mulher do campo, hoje, não é apenas a figura que cozinha e cria os filhos. Com as tarefas compartilhadas com os homens, elas têm tido participação cada vez mais expressiva no setor. É importante que tenhamos claro que a agricultura familiar inclui a família como um todo, de maneira organizada e sustentável, com a participação de homens, mulheres e muitas vezes dos filhos e demais parentes”, comenta.
Dificuldades
Mesmo com as muitas conquistas, ainda são muitos os desafios enfrentados pelo produtor rural. “O caminho para superarmos as dificuldades é a organização da produção. Juntos somos fortes e conseguimos atravessar as barreiras que ainda existem no mercado, como a figura do atravessador”. Para o presidente da Fetaemg, o agricultor familiar tem de valorizar o associativismo. “Precisamos ser persistentes nisso. Só assim vamos conseguir melhorar as condições de vida e trabalho das pessoas do campo e, naturalmente, melhorar os nossos produtos para que cheguem com mais qualidade ao consumidor”, afirmou.
Outro assunto de relevância para o setor é a permanência do jovem no meio rural. “Precisamos ter garantias de uma boa educação, ações de saúde e esportes para que o jovem permaneça no campo. As mesmas condições exigidas nos grandes centros precisam ser oferecidas também no meio rural”, diz ele.
Fonte: Jornal Hoje em Dia

As 7 Melhores

CURTA NOSSA FANPAGE

Programa Terceira Hora